PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Não é só zoeira: memes traduzem perrengues da rotina nas periferias de SP

Quebrada Tech

11/03/2020 04h00

Meme produzido pela página Ritmo das Quebrads Capão (Reprodução/ Facebook)

Muitos territórios periféricos possuem as suas próprias páginas de Facebook que promovem importantes debates comunitários. Sem poupar criatividade na dose de humor, os produtores de conteúdos geram memes que abordam desde discussões sobre obras públicas inacabadas até a identidade cultural única de cada bairro e seus moradores

Por Tamires Rodrigues

Basta um passeio com o olhar atento ao cotidiano dos moradores das quebradas de São Paulo para um administrador de páginas comunitárias no Facebook encontrar material para suas publicações. Um simples ato de pegar ônibus lotado, passar em frente a um comércio, ir a um hospital, voltar do trabalho ou encontrar com um vizinho na rua gera inúmeras situações cômicas que podem virar memes em seus feeds de notícia.

"O trabalho na página é muito espontâneo. Às vezes estou andando no Capão Redondo, vejo alguma coisa e já vem o meme na cabeça", diz William Diniz, um dos criadores da página Ritmo das Quebrads Capão, sobre suas inspirações para produzir conteúdo.

Meme produzido pela página Ritmo das Quebrads Capão (Reprodução/ Facebook)

Uma das publicações que mais teve engajamento na página foi uma sátira com o meme do "engomadinho". Para produzir o conteúdo, ele fez uma associação com o Mano Brown e o Capão Redondo. "Na época estava bombando esse engomadinho. E uma das perguntas que nós, moradores do Capão Redondo, mais ouvíamos era se conhecíamos o Mano Brown", relembra William.

Além da produção diária de conteúdo com diversos memes, a página aproveita o alcance de mais de 75 mil seguidores para fazer divulgação de empreendimentos locais do Capão Redondo. "Uma das coisas que a gente gosta de fazer é divulgar trabalhos, lanchonetes, novos talentos do Capão, músicos, dançarinos, atores", afirma.

Carapicuíba: a cidade dos memes

Thiago Lima, administrador da página da Carapicuíba da Zoeira, lembra que na época que fundou a página o objetivo era ter uma válvula de escape para fugir do estresse do dia dia, além de querer informar sobre situações que acontecem na cidade da região metropolitana de São Paulo.

Meme da página Carapicuíba da Zoeira (Reprodução/ Facebook)

Desde o inicio, Thiago se questionava qual emoção poderia transferir do seu dia a dia como morador de Carapicuíba. "Seria algo relacionado ao estresse?", pensou.

Carapicuíba conta com mais de 360 mil habitantes e é considerada cidade-dormitório. Com poucos recursos públicos no município, os moradores acabam construindo a vida fora. A cidade é vizinha de Osasco, Barueri e Jandira.

"Muitos saem daqui e se dirigem aos hospitais de Barueri, pois aqui infelizmente a rede não suporta a população toda", diz Thiago. O Hospital Geral de Carapicuíba, o principal hospital público da região, não consegue suprir as necessidades do município.

Uma maneira que Thiago encontrou de fazer com que os moradores de Carapicuíba tenham ciência dos seus direitos foi através dos memes, difundindo informações de maneira divertida. "Quando passamos a informação com a linguagem da periferia em um meme facilita para que a publicação seja compreendida por todos".

Sobre os autores

O Desenrola E Não Me Enrola é um coletivo de produção jornalística que atua a partir das periferias de São Paulo, investigando fatos invisíveis que geram grandes impactos sociais na vida dos moradores e moradoras dos territórios periféricos.

Sobre o Blog

Como a vida dos moradores das periferias vem sendo impactada pela revolução digital que transformou as relações sociais, econômicas, culturais e políticas? É isso que o coletivo de jornalismo Desenrola E Não Me Enrola vai contar aqui no blog, trazendo histórias diretamente de quebrada para você conhecer de maneira mais aprofundada esse contexto social que mescla recursos mobile, consumo, comportamento, redes sociais e inovação. Site: https://desenrolaenaomenrola.com.br/